Brasil

Comercial perturbador do Xbox que a TV proibiu e se tornou viral por e-mail em 2002

Foi compartilhado mais de um milhão de vezes

Xbox comercial | Composición
Xbox comercial | Viralizou por e-mail

A publicidade às vezes pode ser mal compreendida pelas pessoas, e a história do marketing sabe disso: tem mais tropeços do que sucessos.

ANÚNCIO

Nesse contexto, hoje lembramos de um comercial que buscava introduzir o primeiro console Xbox, mas que foi tão perturbador que a televisão não quis mais exibi-lo e acabou sendo compartilhado por e-mails de pessoas erradas.

O perturbador comercial da Xbox

Com especificações superiores ao PlayStation 2 e GameCube, naquela época o Xbox prometia levar os jogos a um novo nível.

E para divulgá-la, criaram peças publicitárias pensadas para "jovens adultos" que estavam ingressando na vida profissional. O objetivo? Mostrar-lhes que a vida é muito curta para parar de brincar.

Assim, esta campanha foi pensada para ser enviada por e-mail, então o arquivo tinha cerca de 2Mb e era uma verdadeira inovação para a época.

O resultado? O conteúdo foi compartilhado mais de um milhão de vezes por e-mail, o que naquela época e para o meio era um marco significativo.

Do email para a TV

Depois de seu sucesso retumbante nesses nichos, os responsáveis decidiram levar o comercial para a TV. Foi transmitido originalmente no Reino Unido, e assim toda a nação pôde ver a sequência em que um bebê recém-nascido é lançado pelos ares, atravessa todas as etapas da vida até sua morte, e termina caindo dentro de seu caixão.

ANÚNCIO

A mensagem pretendia ser uma reflexão sobre a brevidade da vida com um apelo para brincar mais. No entanto, houve tantas reclamações sobre o conteúdo ofensivo e chocante que acabou sendo removido e continuou a viver nas sombras.

A Comissão de Televisão Independente do Reino Unido decidiu proibir o anúncio depois de receber mais de uma centena de reclamações de telespectadores que o consideraram de mau gosto, principalmente pela forma como abordava o tema da morte.

Apesar da defesa da Microsoft, que argumentava que a mensagem do anúncio era positiva, a Comissão sentenciou que os gritos do personagem durante seu voo e seu final violento sugeriam uma experiência traumática, reforçada pela frase "A vida é curta" ao concluir o anúncio.

"Sempre penso que as melhores ideias são aquelas que são simples o suficiente para serem descritas em poucas frases. Basicamente, me descreveram o seguinte: 'Há um bebê que é catapultado pela janela do hospital ao nascer, envelhece desde o berço'. 'A vida é curta, jogue mais'. Naquele momento, soube que era o certo, por sua brilhante simplicidade", explicou o publicitário responsável, Harvey Eagle, ao GamesIndustry.biz há alguns anos.

Tags