Brasil

O Telescópio Espacial Hubble captura o momento exato em que duas galáxias se fundem a 570 milhões de anos-luz

Estrelas, poeira cósmica e uma infinidade de elementos químicos interagindo

O Telescópio Espacial Hubble nos transforma em testemunhas de um evento estelar impressionante. Duas galáxias aparecem sob sua lente, enquanto se fundem nas profundezas do cosmos, a 570 milhões de anos-luz de distância.

De acordo com o que a NASA informa em seu site oficial, as imagens do Hubble mostram uma galáxia que eles identificam como Arp 122. Mas na realidade, é a fusão dos aglomerados estelares NGC 6040, a galáxia espiral inclinada e deformada, e LEDA 59642, a espiral redonda e frontal.

Estrelas, poeira cósmica, gás quente e uma infinidade de elementos químicos aparecem interagindo nesta impressionante imagem que nos deixa perplexos por sua imensidão. É tão grande que, olhando para o canto inferior esquerdo, há outra galáxia. Trata-se da elíptica NGC 6041, um membro central do aglomerado de galáxias onde reside Arp 122, mas que, de outra forma, não participa dessa fusão monstruosa.

A NASA explica que as colisões e fusões galácticas são eventos monumentalmente energéticos e dramáticos, mas ocorrem em uma escala de tempo muito lenta. Eles dão o exemplo de que a Via Láctea, nossa galáxia, está a caminho de se fundir com Andrômeda, o aglomerado estelar mais próximo.

ESA/Hubble y NASA, J. Dalcanton, Dark Energy Survey/DOE/FNAL/DECam/CTIO/NOIRLab/NSF/AURA Reconocimiento: L. Shatz

Este evento deverá ocorrer daqui a cerca de "quatro bilhões de anos antes que realmente se encontrem", diz a NASA. Além disso, o processo de colisão e fusão também não será rápido: poderá levar centenas de milhões de anos para se desenvolver. Essas colisões demoram tanto devido às distâncias realmente enormes envolvidas.

As galáxias são compostas por estrelas e seus sistemas solares, poeira, gás e matéria escura invisível. Portanto, nas colisões galácticas, esses componentes constituintes podem experimentar enormes mudanças nas forças gravitacionais que atuam sobre eles.

Acredita-se que as galáxias resultantes de fusões tenham uma estrutura regular ou elíptica, uma vez que o processo de fusão altera estruturas mais complexas (como as observadas nas galáxias espirais). Seria fascinante saber como Arp 122 ficará uma vez que essa colisão esteja completa... mas isso não acontecerá até muito, muito tempo, como nos informa a NASA em seu site.

Tags

ÚLTIMAS NOTÍCIAS


NÓS RECOMENDAMOS