Brasil

Biologia da ressurreição: o que você precisa saber sobre a tendência na ciência

Trata-se de uma tendência concreta que ganha força graças a quatro pesquisas

A biologia da ressurreição é uma tendência real e está presente nos dias de hoje no panorama das pesquisas impulsionadas pela comunidade de pesquisadores dedicados a projetos sérios no campo da ciência.

Embora possa parecer material próprio de uma obra de ficção científica, no passado vimos como acadêmicos e especialistas tentaram abordar alguns projetos que pareciam inconcebíveis, apenas para se tornarem uma realidade tangível em nosso presente.

Talvez o maior exemplo disso que vivemos hoje em dia é com Sam Altman, CEO da OpenAI, que há alguns anos fazia previsões audaciosas e quase impossíveis de acreditar no campo da Inteligência Artificial.

Mas em 2023, com a existência do DALL-E, Bing Chat, Midjourney e obviamente ChatGPT, acabamos por comprovar que Altman estava realmente um pouco à frente de seu tempo, mas tinha uma clara visão do que estava por vir.

No entanto, hoje é hora de analisar uma tendência muito mais perturbadora que pode representar um perigo grave para a humanidade: o perigo de trazer os mortos de volta.

O que é a biologia da ressurreição em quatro pesquisas?

A CNN publicou um artigo científico jornalístico impressionante e extenso, que explica de forma geral do que se trata essa nova tendência no campo da ciência.

Mas o mais interessante é que no artigo escrito por Katie Hunt, Ashley Strickland e Tom Page, eles abordam um total de quatro projetos de pesquisa que exploram esse campo de diferentes perspectivas. Cada um deles com suas qualidades e riscos.

Em resumo, a biologia da ressurreição é um ramo da ciência que busca reviver cadeias de moléculas e organismos mais complexos. É um campo de pesquisa emergente que está ganhando adeptos em laboratórios ao redor do mundo. E como exemplo, temos estes quatro projetos.

1. Reviver algum vírus ‘zumbi’

O aumento das temperaturas no Ártico está descongelando o permafrost, uma camada de solo congelado sob a terra, e poderia reativar todo tipo de vírus que, após permanecerem inativos por dezenas de milhares de anos, poderiam colocar em perigo a saúde humana e animal.

O professor Jean-Michel Claverie, da Universidade Aix-Marseille, na França, está investigando os riscos apresentados por esses ‘vírus zumbis’. Em 2014, Claverie conseguiu reviver um vírus com 30 mil anos de idade ao inseri-lo em células cultivadas.

No seu último estudo, publicado apenas em fevereiro de 2023, Claverie e sua equipe isolaram várias cepas de vírus antigos a partir de amostras de solo da Sibéria. A mais antiga tinha quase 48.500 anos, e as amostras mais jovens tinham 27 mil anos.

Claverie afirma que o fato de que esses vírus continuem sendo infecciosos após tanto tempo é um sinal de que eles poderiam representar uma grave ameaça para a saúde pública.

2. A busca por novos antibióticos através de fósseis

O pioneiro da bioengenharia César de la Fuente, da Universidade da Pensilvânia, está usando o passado para procurar novos antibióticos.

Os avanços na recuperação de DNA antigo a partir de fósseis permitem agora ter acesso público a bibliotecas detalhadas de informações genéticas sobre parentes humanos extintos e animais desaparecidos há muito tempo.

Secuencia de ADN

De la Fuente utiliza essa informação para identificar moléculas de proteínas ou peptídeos que poderiam combater as bactérias. Ele descobriu compostos promissores de neandertais e criaturas da Era do Gelo, como o mamute-lanoso e o preguiça-gigante.

De La Fuente afirma que essas moléculas poderiam oferecer novas opções para tratar doenças infecciosas, já que as bactérias atuais não estão adaptadas a elas.

Portanto, sua abordagem é pouco ortodoxa e talvez até mesmo não viável a longo prazo.

3. A ressurreição de espécies extintas há muito tempo

A empresa de biotecnologia Colossal Biosciences anunciou em janeiro de 2023 a sua intenção de ressuscitar o Dodô, uma ave não voadora de aparência estranha que viveu nas ilhas Maurício até o final do século XVII.

A Colossal Biosciences está utilizando avanços em sequenciamento de DNA antigo, tecnologia de edição genética e biologia sintética para tentar trazer de volta o mamute-lanoso e o tilacino, ou tigre-da-Tasmânia.

A empresa descobriu células precursoras de ovários ou testículos na pomba de Nicobar, o parente vivo mais próximo do Dodô, que podem crescer com sucesso em um embrião de frango.

Se a empresa tiver sucesso, os Dodôs ressuscitados serão uma forma híbrida alterada da espécie original.

Na verdade, abordamos recentemente o projeto de trazer de volta o pássaro.

4. Os processos de mumificação e seu odor

O artigo termina com uma nota quase curiosa sobre o aroma de um bálsamo egípcio de mumificação utilizado pela última vez há 3.500 anos, que os visitantes do Museu Moesgaard, na Dinamarca, podem experimentar hoje em dia.

O odor foi recriado a partir de ingredientes identificados através do estudo dos resíduos deixados em dois frascos canopos descobertos no Vale dos Reis, no Egito, em 1900. Os dois vasos continham os restos de uma nobre egípcia conhecida como Senetnay.

Os pesquisadores do Museu Moesgaard utilizaram uma combinação de técnicas, incluindo espectrometria de massa e cromatografia gasosa, para identificar os ingredientes dos bálsamos de Senetnay.

Os resultados do seu estudo, também publicado em 2023, revelaram que os bálsamos eram compostos por uma mistura de plantas, resinas e óleos. Entre os ingredientes estavam mirra, olíbano, cedro, cipreste e lavanda.

Esta engenharia reversa pode ser a chave para melhorar os processos de embalsamamento e conservação de corpos mortos. Por mais estranho que pareça.

Resumindo, a comunidade científica está atualmente obcecada com a biologia da ressurreição.

Tags

ÚLTIMAS NOTÍCIAS


NÓS RECOMENDAMOS