Brasil

1.400 espécies de aves foram extintas pela humanidade: estamos vivendo a terceira extinção em massa

Estudo alerta sobre os efeitos da agricultura intensiva e das mudanças climáticas como os principais impulsionadores da terceira extinção em massa de aves

Cortesía

A humanidade tem sido a grande responsável criminal por trás do desaparecimento de mais de 1.400 espécies de aves no planeta, mas essa cifra tem como única aspiração continuar aumentando, com o potencial risco de uma terceira extinção em massa.

Não é algo leve. Um novo estudo publicado na revista ‘Nature estimou que a ação humana ao longo de sua história teria causado a extinção dessa quantidade de espécies de aves desde o Pleistoceno Tardio até os dias atuais do século XXI.

Na comunidade científica, de fato, existem projetos ativos que buscam utilizar a mais recente tecnologia e recursos disponíveis para tentar ressuscitar espécies já extintas, como o pássaro Dodo.

Mas considerando a quantidade de anos que o ser humano tem sobre a Terra, qualquer um poderia concluir que na realidade 1.400 espécies não seriam tantas. Mas esse número é o dobro das estimativas anteriores e representa 12% de todas as variedades de aves que existem atualmente.

Infelizmente, a pesquisa sugere que esse número em breve sofrerá um aumento significativo que parece quase inevitável.

A terceira extinção de aves já está aqui

Para o documento recém-publicado, os pesquisadores utilizaram o registro fóssil para estimar quantas espécies se extinguiram sem documentação em ilhas do Pacífico Ocidental.

Assim, calcularam que 1.430 espécies de aves em todo o mundo desapareceram desde o Pleistoceno Tardio (iniciado há 126.000 anos) e a maioria dessas extinções ocorreu nos últimos 11.700 anos.

Assim, 55% dessas extinções não haviam sido descobertas até agora, pois os dados anteriores se concentravam em desaparecimentos bem documentados, há pouco mais de 500 anos.

Loros en el Aviario Nacional.

Esta é a conjunção concreta de fatores pelos quais os números oficiais anteriores eram tão baixos. No entanto, os pesquisadores consideram que essa abordagem poderia subestimar a magnitude das extinções, já que os restos de pássaros são mais difíceis de conservar e o conhecimento é muito desigual em diferentes partes do mundo.

Um dos pontos mais interessantes e perturbadores da pesquisa é que ela detalha, de forma geral, algumas das extinções em massa mais significativas da história impulsionadas pelos seres humanos.

Em primeiro lugar, a maior onda de extinção de aves está associada à dispersão humana através do Pacífico Oriental (incluindo as ilhas do Havaí) durante o século XIV. Nessa época, as taxas de extinção foram 80 vezes mais altas do que o esperado.

Em seguida, ocorreu uma segunda grande extinção em massa que aconteceu no século IX a.C., impulsionada pela dispersão humana no Pacífico Ocidental. Sobre ela, os pesquisadores estimam que as ilhas do Pacífico representam 61% do total de extinções de aves.

E para encerrar o documento da maneira mais perturbadora possível, afirma-se que desde meados do século XVIII está ocorrendo uma terceira grande extinção. Onde as aves têm enfrentado ameaças "novas" impulsionadas pelos humanos, como a mudança climática, a agricultura intensiva e a poluição.

As taxas de extinção atuais são 80 vezes mais rápidas do que a taxa natural de extinção. Embora ainda não tenham sido alcançados os níveis das extinções em massa do passado, a velocidade é muito maior.

As aves desempenham diferentes funções nos ecossistemas, como a dispersão de sementes, a polinização ou a reciclagem de nutrientes.

Assim, o desaparecimento de uma espécie pode ter graves consequências ecológicas e evolutivas, potencialmente irreversíveis.

Tags

ÚLTIMAS NOTÍCIAS


NÓS RECOMENDAMOS